Sobre o desmame

Quando eu comecei a amamentar meu segundo filho, tudo foi muito lindo e tranquilo, pegou certinho, mamava bem , eu produzia leite para caramba e tudo seguiu. Era livre demanda, sem mamadeiras e chupetas, só colo, muito sling e poucas horas de sono seguidas.
1233405_239620276204623_2138762301_n
E depois de um ano e meio neste ritmo (depois dos 5 – 6 meses, ele começou a comer também, mas não entendo que a amamentação seja somente por necessidade de nutrição alimentar) me dei conta que não sabia como parar, como voltar a trabalhar, qual seria o momento ideal (sendo que eu podia escolher, pois meu trabalho me permite) e como fazer isso acontecer com respeito a mim e ao meu filho.
Adianto que não encontrei muitos textos sobre os assuntos, na maioria era sempre com um jeito mágico, que parecia muito lindo na teoria, mas na prática não rolava. E eu estava na idéia de sentir o momento, de sentir a necessidade de meu filho…de aprender do meu jeito mesmo, ou melhor, do nosso jeito.

1403511_256173604549290_1208174019_o
Bom, aos poucos percebi que ja estava no processo de desmame sem perceber.

Ele rolou de maneira bem gradual, tenho um companheiro e ajuda mto.
Comecei com pequenos intervalos, onde meu filho ficava com o pai enquanto eu ia trabalhar e tals (isso por volta de um ano de idade), e então os intervalos foram aumentando.
Depois aumentei os intervalos e comecei a deixar ele dormir sem mim as vezes (qdo eu nao estava em casa), ele e meu marido descobriram um jeito deles de ficarem bem, de dormir e tudo mais. Eles tinham o próprio jeitinho de ficar juntos, de dormir, de comer….Isso tudo sem mamadeiras ou chupetas.

Por volta de um ano e meio ele começou a dormir por mais tempo a noite, as vezes soltava naturalmente o peito pra dormir. E aos poucos eu também comecei a regular e negar as mamadas diurnas (pois eu ficava fora, e assim que chegava ele já queria o peito), e então eu negava e tentava distrair com outras coisas, conversava e tals, e aí, por volta dos dois anos as mamadas eram somente para dormir (seja a tarde, seja a noite) e incrivelmente ele começou a dormir por mais tempo, e somente as vezes acordava de madrugava (e mamava pra voltar a dormir).
Comecei a não dar o peito quando ele pedia, mas sim quando eu achava importante.
E me toquei que eu, muitas vezes, socava o peito quando não sabia o que fazer…não buscava alternativas (e nem achava que tinha) e pronto. Me dei conta que não pensava mais sobre o assunto, só dava o peito para ele ficar de boas e eu conseguir fazer minhas coisas (tipo, escrever no pc com o filho grudado era algo bem comum). E resolvi mudar isso. E rolou lindamente. Ficamos assim por uns meses, por volta dos dois anos.

E há pouco menos de dois meses comecei a negar o peito para dormir. E aí comecei a me virar com alternativas…. era colinho, musiquinha, carinho. E a cada dois dias rolava uma mamada, mas era no meu tempo, tipo, mamava um pouco (também para aliviar o peito, que ainda estava produzindo leite) e ia dormir.

Ele teve momentos de choro (meu também), mas senti que era o momento, conversei muito com meu marido, com amigas..e tava decidido. E quando consegui aconteceu algo incrivel e inesperado….ele começou a demonstrar carinho como nunca!
Sabem, ele agora vem pro meu colo e me abraça, me beija…. para dormir ele ouve as canções, escuta historinhas, ganha e pede muito carinho…e tudo isso era feito pelo peito. Só pelo peito. Tipo um ser mesmo. Ele só vinha pro meu colo porque queria mamar e ja grudava no peito. Eu tentava dar carinho para dormir, e ele ja queria a teta. Eu tentava dar ou pedir qualquer carinho, beijinho e abraços, mas era sempre a teta.

E olha, esse carinho é uma delicia ❤ Me senti muito feliz e confiante, tanto nele e sua maturidade, quanto em mim e nas decisões relativas ao desmame que tomei.

11401323_468746683291980_2177581658977421243_n
(ah, e preciso comentar que tb rolou o desfralde, quase que junto ao desmame)

Sinto que precisamos falar muito sobre isso, discutir, entender, desabafar, pois acabamos por achar que devemos dar e receber todo o carinho entre mães e filhos através do peito. Só do peito. Pois é bacana a tal da livre demanda, e sim, é gostoso ficar grudadinha “sendo necessária”. E sim, é um ótimo e importante ponto de envolvimento emocional, mas não devemos esquecer que ele não é o único. Assim como nós, mães. Somos um ponto importante para o desenvolvimento emocional, mas não somos o único.

Permitir que outras pessoas cuidem de nossos filhos, permitir outras maneiras de carinho, permitir que nós mesmas possamos ter outros meios de prazer e cuidar, é permitir um passo, é permitir que o amor se espalhe e (ao contrario do achamos e do que dizem) ele se torne mais forte. E é também permitir a tão buscada liberdade, seja para nós, seja para eles .

Liberdade requer muita coragem para assumir nossos passos e assumir que muitas vezes nós é que estamos apegadas.

E quando comentei que chorei, foi por isso…pelo meu apego, em saber que agora ele ja está virando um meninão, que não precisa “só” de mim, das minhas tetas e atenção, que sou , de certa forma, dispensável, que ele já pode “viver” de boas com o auxilio de outras pessoas. É lindo e dificil. Como tudo, né. Pois sei bem o quanto ele ainda precisa de mim, mas a forma está mudando.

É lindo eu poder ir trabalhar, mas é dificil ficar longe da cria.
É lindo ver ele independente, mas é difícil assumir isso para mim, como mãe.
É lindo entender que ser mãe é também aprender sobre liberdade, pois sempre me ensinaram que ser mãe era aprender e se submeter a sofrimento e dependência, que isso é que era amor. Amor de mãe. Mas o que sinto é que amar de verdade é confiar, aceitar e seguir, com muito respeito a nós e aqueles que cuidamos.

10421628_453783391454976_1483819385727533684_n

É lindo e dificil. Mas é vida, né. Tudo nasce, morre, nasce….

O amor e suas delicadezas

“Sou mãe sozinha de um bebê de quase 6 meses. Percebi minha necessidade em enquadrar o comportamento dele em alguma das fases típicas do seu desenvolvimento. Não que elas não existam. Acredito sim que existem períodos críticos em que nossos bebês precisam de mais atenção. Mas fui, mais uma vez, no fundo do meu lodo, da minha lama, pra descobrir por que a carência dele me incomodava tanto.

Cresci no meio de exemplos de mulheres que não eram amadas. E que não se deixavam amar. Não podia. Mulher tem que ser forte, até mesmo as crianças, viu Heloisa? Não deve chorar com medo de pesadelo e nem pelo machucado que sangra pele a fora. Aí virei mãe. Tentei reproduzir o padrão já estabelecido e tão arraigado da super mãe que não reclama, que dá conta de tudo (mesmo não dando), que não chora (mesmo chorando no banho, pra confundir lágrima com água, sabe?), que ama a cria 24h por dia, 365 dias no ano, que se doa incansavelmente. Convenhamos: isso existe? Até eu não gosto de mim mesma em determinados momentos da vida! Senti-me culpada por querer estar só, por ter que amamenta-lo, enquanto a minha vontade era sair correndo.

Revoltei-me por ser mulher e ter que me ajustar nesse padrão de que mãe doa amor ao filho e esqueci-me de ver que ele também me ama.

Aquarela de Irene Olid Gonzalez

Me ama quando estende seus bracinhos pedindo colo, me ama quando faz bico pedindo colo, me ama quando vira os olhinhos como quem diz: “esse leite é gostoso demais, mãe!”, me ama quando acorda escancarando um sorriso que ilumina mais que o Sol. Ele me alimenta do mais puro amor. Ele me dá colo. Enxuga minhas lágrimas quando me vê chorando. Eu me abri pro amor.

Deixei pra trás a carga carregada pelas minhas ancestrais. Ficou lá no passado.
Eu também mereço ser amada. E você também.”


Texto pela querida Isa Rebello

Relato de Gestação e Nascimento: O Parto de Anis

“O começo da história

Vou começar do princípio. No princípio era o ventre. Então vou contar sobre minha gestação e depois sobre o parto, porque acredito que o parto é parte ou fim de uma história que se inicia na concepção, ganha forma na gestação e se conclui no nascimento.Desde o começo da gravidez eu já  sabia que esperava uma menina, assim como da outra vez também  já sabia que era um menino. A gravidez, quando aceita e vivida com amor, aguça a sensibilidade espontânea. É como se um saber natural das coisas e dos sentimentos se instalasse em você. Mas não é do saber da razão que estou falando, é um saber dos sentidos, é uma sintonia com a existência viva, um estado permanente de conexão e interação com a natureza.

Um estado sublime que anda de mãos dadas com o divino. Um estado de clareza, de iluminação.
Por isso grávidas são tidas como iluminadas….um brilho brota do olhar, acho que ainda mais de dentro, brota do âmago, brota da alma.

Foi assim que me senti durante toda a gestação da Anis. Fiquei mais calma e radiante, mais sensível, mais em contato com o meu corpo e com o que realmente importa. Aprendi a amar mais.
Diminui o ritmo na intenção de desfrutar mais do aqui e agora. Estabeleci como meta viver mais pausadamente, porém com intensidade, estando realmente e inteiramente presente na vida, nos acontecimentos, experimentando de maneira tranquila e sem pressa cada fase na evolução da gestação.

10500282_10203422505556629_2823315043292638939_n

Isso  significa que  me mantive ativa com minhas obrigações oficiais. Significa que fiquei com a intenção de viver com mais sabedoria, aproveitando e respeitando  o tempo das coisas.

E assim fiz, e assim foi.
E pra sinalizar minha não pacatez na vida, ou para demonstrar que as atividades cotidianas não param, mas podem ser vivenciadas devagar e com respiração completa…….. mudei de trabalho, mudei de cidade, mudei de casa, mudei o assunto e o tema da minha dissertação de mestrado. Me instalei na minha nova e velha cidade, em uma casa cheia de história e estória, com a  sensação de contentamento e reconexão com minhas raízes.

Trabalhei até o 7˚ mês de gestação, escrevi minha nova dissertação em tempo recorde e dentro do tempo, finalizei meu mestrado e Pari….. na tradição das ancestrais parteiras, com rezas, cantigas e rituais, simbolizando e reverenciando cada etapa…. da maneira que desejei, da maneira que faz sentido pra mim. Em casa, onde me sinto livre e segura, no meu canto, no meu templo, onde cultivo minhas plantas, onde monto meu altar, onde coleciono minhas artes, meus livros, onde me retiro pra meditar, onde estudo, onde faço tudo e onde me permito fazer nada. 

Pari de forma plena, ativa, entregue, natural, com apoio, com amor, com respeito, respirando, contente e feliz! Experimentei dores profundas, tão profundas quanto de onde brota a iluminação. Parir, pra mim, foi experimentar meu corpo no auge, no ápice, no alto do cume de um lugar silencioso e concentrado.  Um lugar transgeracional, sagrado e milenar. E é de lá desse lugar que não tem palavra que falo agora.

O dia do parto

Bom, o dia do parto torna-se de repente dia do parto. Eu não fazia idéia  que seria naquele dia o dia do parto, e fui processando todos os sinais aos poucos…..

“Coincidentemente” e afortunadamente, eu tive retorno com meu médico querido no dia que se tornou ” o dia do parto”. Tudo começou de manhã, me recordando de alguns sonhos e notando uma certa diferença no meu corpo. Um tampão mucoso nunca dantes visto estava se apresentando delicadamente a mim, tão delicadamente  que demorei para captar seus sinais evidentes. Fui para o médico querido  logo depois do almoço, fizemos ultra-som e ele me disse que Anis estava se encaixando, por isso a presença do tampão.

Ok, voltei para minha casa, que também afortunadamente fica a apenas dois quarteirões do médico querido. Cheguei em casa e fui contar pro meu amado que Anis estava se encaixando, quando de repente aguas profundas que movem moinhos caíram no chão, não tão delicadamente.

Eu, já inteiramente absorvida pela intenção do seguir devagar a vida, mandei calma e tranquilamente mensagens para as parteiras, comunicando o fenômeno ocorrido.
Elas me disseram: – Ok flor, estamos indo praí ( uma das parteiras estava a 3 horas de distância de minha cidade).
E eu falei:  – Caaaalmaaa, vamos esperar mais um pouco!!!! ( percebam que nesse momento a pacatez realmente invadiu meu ser), pode ser que não seja nada!!!
E elas disseram : Flor, estamos indo mesmo assim…. É claro que elas já sabiam de tudo….eu é que estava lentificada deveras.

Continuei fazendo minhas coisas, e fui aos poucos realmente percebendo que eu estava em trabalho de parto. As águas que movem moinhos não paravam de sair, as contrações começaram a ficar muito perceptíveis, aumentando gradualmente. Esse início ainda é beeem suave, continuei fazendo minhas atividades caseiras, lavei roupa, recolhi roupa do varal, estendi roupa no varal, chupei fruta, bebi água, muita água, e novamente afortunadamente, para minha surpresa, levei uma picada de abelha no  dedo, rsrs .  (pode parecer estranha essa parte mas logo fará sentido).

Como não sou alérgica, não me desesperei (olha que novidade!), e aguardei calmamente a chegada das parteiras. Até pensei junto de meu filho:  – Olha, como sou sortuda, acabei de receber uma dose de anestésico e antibiótico natural ( nessas horas é sempre bom manter o otimismo)!

A chegada das parteiras

DSC04904

Conversando sobre a picada de abelha, a parteira da tradição me disse que a abelha é símbolo do trabalho em conjunto, de coletividade, da organização…… ou seja, a abelha abriu os trabalhos. _ Que maravilha, eu amo esses sinais da vida, eles me mostram quando estou no caminho certo!!! E fico achando que o desafio ou o aprendizado da vida é “ler os sinais”…..~*~….. Eu amo ler os sinais!!!

DSC04906

…. Ainda compreendendo todos os sinais, me recordando dos meus sonhos simbólicos da noite anterior e recebendo massagem da doula e das parteiras. Eu ainda não sabia de nada, inocente!!!
E me mantinha, com calor, com muito calor, sorrindo, afinal………..UUUUauuuuuu, eu vou Parirrrrr!!!!!Isso é Seeeensacionalllllll!!!!!!!Iuhuuuuuuuu!!!!

DSC04913
Em êxtase porque vou parir!!!!!!

DSC04925

Masss, como em toda evolução de um trabalho, é necessário uma certa  introspecção, é necessário a concentração, o centramento. É necessário calar-se para se ouvir, é necessário se voltar pra dentro, estar dentro e fundo…é de lá que vem!

DSC04916
Desse lugar silencioso e dolorido de onde estou, e de onde me reconheço agora, apenas o que quero é massagem, massagem, massagem….. profunda, profunda, mais profunda. A lua cheia estava no céu,  a Luna na janela, quieta observadora de toda magia que estava acontecendo. Theo já estava dormindo, A casa era absoluto silêncio, apenas o som do meu respirar.

DSC04918

Quero todos ao redor de mim, quero todas as mãos, toda vibração, todos os alívios, não quero nenhuma palavra. Quero gestos sem palavras, quero contato. Tudo deve ser muito profundo, silencioso e profundo.DSC04935

Quero a companhia amorosa do meu amor, sem palavras ele sabe do que eu preciso. Preciso do seu toque, preciso que caminhe comigo, que continue a caminhar comigo, que me dê apoio e que não saia do meu lado…..Durante a gestação eu lia sobre parto ativo, eu sabia que o meu seria ativo, eu me mantive ativa e disposta durante todo o ciclo da gravidez.  A atividade dissipa a dor, percebia que quando eu caminhava, eu buscava, eu cavava dentro de mim o espaço pro nascimento, eu reunia a força ancestral necessária pro nascer, pra trazer vida. E me silenciava cada vez mais, e mais….DSC04928

Eu só quero e apenas  preciso que caminhe comigo, preciso de apoio e sustentação, o resto pode deixar que meu corpo sabe o que fazer. Ele não tem dúvidas, ele tem uma sabedoria inata tecida com vigorosidade.

DSC04940

Uma natural vontade de estar dentro da água se manifesta. A água conforta tanto,  a água conduz tão bem, dita o ritmo, nutre a pele, silencia ainda mais, traz mais pra dentro e relaxa.

DSC04942

Mas eu precisava cavar, cavar mais e buscar, precisava andar pra encontrar e suportar  esse lugar que é tão dolorido, tão impetuoso, ousado e divino. Caminhar é preciso…. Me perco das horas,  me desconecto do mundo do tempo, só existe meu corpo, minha dor, regendo com maestria instintiva toda sinfonia que precede o nascimento.

DSC04946

Nesse momento de tamanha profundeza, preciso da força das mulheres que estão comigo
Preciso da sua força anciã.
Dos seus saberes sem palavras.DSC04923

O tempo caminha sem tempo, e eu já posso sentir sua chegada, eu já sei que você está ali, pronta pra nascer, pronta e com força pro mundo. Agora só preciso ajudar, preciso de todas as forças que foram reunidas até agora.
Agora é trazer ao mundo.
A mente está no lugar certo, no lugar de abertura, de conexão e expansão.
De cócoras, inclinada pra trás.
Depois de muito cavar, foi assim que me achei.
DSC04952Siente, el momento llega, lo divino estas contigo.
Siente, tus huesos son fuertes, madre de todos nosotros
Siente, estas em buenas manos, tienes lo que necesita
Siente, estamos ayudando
Y eres parte de la tierra

DSC04954

A hora que se segue ao nascimento, é  a hora sagrada, é a hora de cura, lugar de conserto, lugar de presença. Somos só nós, em comum unidade. Somos só emoção em gesto

DSC04989

A primeira vez que olho nos seus olhos.
A hora de ouro!
The sacred hour!!!
Eu te reconheço, você me reconhece. Eu te abençoo, você me abençoa.
E juntas entoamos preces de gratidão. Eu te dou a vida, você me dá vida.
E pulsamos juntas.

Extraio tanta alegria só de observar.
Já dançamos horas suficientes pra nos conhecermos.

DSC04980 DSC04974

Em completo estado de transe,  pico de ocitocina, experimento a melhor sensação do mundo!
Sensação de completude, de gratidão, de mais força, de vitória.
Me sinto a rainha do universo!

DSC04990 (1)

O corpo se lembra de tudo. O corpo irá se lembrar de tudo pra sempre
O corpo se lembra antes de ter palavras
O registro está na pele
Olfato e contato
DSC04992
Aconchego do pai, o pai que também virou mãe.DSC05014

Toda a equipe reunida, celebrando o nascimento, celebrando a vida.
O nascimento foi feito pra funcionar, sem segredo e com mistério.
Com luz, com sacralidade e com puro amor.
Sou gratidão eterna a esse jardim.
Ohm!!!

DSC05057

Há que se afinar o corpo até o último sempre. Exercer-se como instrumento capaz de receber a poesia do mundo. Poesia suspensa em rotação e translação. Movimentos moderados, alinhavando em dias e luares, estações e colheitas, minutos e milênios, provisoriamente.” Bartolomeu Campos de Queirós ”

Relato gentilmente cedido por Cinthya Garcia e familia, e com postagem original aqui: Consultório de Afrodite

Relato de Parto Domiciliar, Luana e Arthur

“Acho que me sinto finalmente pronta para Parir o meu relato de Parto.

Desde que o Artur nasceu que venho tentando organizar tudo o que passei em palavras.
O trabalho todo foi tão intenso, tão mágico que me restaram alguns flashes e poucas palavras.
E hoje me veio uma vontade tão louca de parir de novo, de sentir o pulsar do meu útero, saudade das contrações… que decidi tentar relatar um pouco do que vivi, até para as vezes conseguir entender melhor pelo o que passei.

Começo pela minha gestação.

Caos é a palavra perfeita para descrevê-la.Eu estava morando em uma Ocupação em Rio Preto e prestes a me mudar para Floripa com o meu parceiro e amigos.Comecei a me sentir enjoada, achei que era por causa da comida, até tava tomando remédios para o estômago, mas, quando deu 3 semanas de atraso no meu ciclo, não teve jeito.. resolvemos fazer um teste de farmácia. Deu positivo.. por via das dúvidas resolvi fazer outro, só para ter certeza mesmo. Positivo.

Lembro que a Nath Gingold postava com frequência sobre partos humanizados e sempre que sobrava um tempo, eu lia.

Quando caiu a ficha, eu e meu parceiro, Marco, fomos atrás de um GO. Nós, na nossa SANTA INOCÊNCIA, já chegamos falando sobre Parto Humanizado.
Nessa primeira consulta eu e meu bebê já fomos chamados de retardados por só querer saber sobre Parto Normal. Na segunda que foi com uma médica ela receitou um remédio, que gestante não pode tomar. Até que encontramos o Dr. Guaraci, que fez todo o meu pré natal e nunca me julgou por querer Parto Normal, pelo contrário, me incentivava. Minha família teve e tem problemas em aceitar minha gravidez até hoje e em toda a gestação teve muita opinião e medo alheio. Teve crise no meu relacionamento com o Marco, teve muita mudança de casa, muito choro, muita briga, muita confusão, muita não aceitação da gestação.

Até que com 6 meses eu senti o primeiro chute. E ai, eu me apaixonei.

Demorei 6 meses pra olhar para minha barriga e imaginar um bebê dentro dela. Demorei 6 meses pra dar o amor que meu bebê pedia e merecia.
E o amor que eu falo não é ficar alisando a barriga o dia todo, ou tirar mil fotos.. é a conexão incrível que existe entre uma mãe e o bebê.

10527893_10202695194842837_360964445247632765_n

Sobre o Parto Domiciliar, minha família acha que eu sou louca até hoje, que eu arrisquei demais e que foi tudo na cagada.
A família do Marco, sempre apoiou as minhas escolhas, todas elas.. Porque hora eu optava por hospitalar hora por domiciliar..

O último encontro Gaia que eu fui, eu trouxe até mim de novo toda a minha confiança em ter sim um Parto Domiciliar. Foi um encontro em que a Lucelia Caires tava lá para falar sobre partos.
Já tinha ouvido falar e muuuuito sobre a Lucélia.. só que nunca fui atrás de conhecer ela de fato.
Ai, a Lu que veio falar comigo, queria saber quais eram os meus planos para o parto. E naquela altura, a ideia era, avançar em casa e depois ir para o Austa ter Parto Normal com o Dr. Guaraci.
A Lu me chamou pra ir na casa dela para conversarmos.. e conversa vai e conversa vem.. e decidimos ter em casa.
Mas logo depois mudei de opinião. Ai ficou de avançarmos com a Lu e depois ir para o Austa com o Dr. Guaraci.

Na sexta feira, dia 12 de setembro, eu e o Marco fizemos nosso chá de bençãos no centro aonde vamos, recebemos as bençãos dos caboclos no dia e quando chegamos em casa, fizemos aqui as nossas bençãos com nossas pedras de cura e energizadores.

No dia 13 de setembro, sábado, tivemos uma feirinha de vendas com a Criata no Vasco, e já lá eu estava com dores nas pernas e na lombar, só que achava que era o sapato que estava pesado, me apertando..
Chegamos em casa as 23h e eu tive umas contrações, só que achei que fosse contrações ‘educativas’.
As 3h da madruga do sábado para o domingo eu acordei já com bastante dor, acordei o Marco e começamos a conometrar as contrações.. Estavam de 6 em 6 minutos.
As 5h da madrugada, o meu tampão começou a sair.
Esperamos dar umas 8h da manhã para ligar pro Dr.Guaraci, porque era domingo, e enfim, era cedo…
o Dr. Guaraci disse que tudo tava normal e que era pra gente manter ele informado.
Informamos a Lucélia do que estava acontecendo, ela disse que viria logo menos para nossa casa e enquanto isso o Marco ligou para o Dr. Guaraci para dar novas notícias e o Dr. disse que havia saído de Rio Preto, que
era pra gente ir pra emergência do Austa e pegar um plantonista e Boa Sorte.
O QUÊ? COMO ASSIM? CÊ TA LOUCO?
Ficou por isso…

A Lucélia chegou umas 11h, ouvimos o coração do bebê, avisamos do que tinha acontecido com o Dr.Guaraci e ela falou que voltaria já com os equipamentos para um parto domiciliar.
Dormi. Acordei com a Lu em casa com tudo!!! Era umas 15h mais ou menos.
E dalhe massagem!1466271_10203114135756098_729769734549524977_n

10521441_10203114158596669_1341037666407151359_o

Uma das minhas lembranças mais fortes é a de estar no meio de uma contração e me encontrar no meio do mar cheio de ondas, e eu parada no meio dele e Iemanjá na minha frente com os braços abertos, e nessa mesma hora a Lucélia começou a cantarolar a música de Iemanjá.
Me arrepio toda só de lembrar!

Comi algumas frutas, açaí e chocolate e tomei muita Água com Mel.
Vomitei tudo. Três vezes.

O Marco Criata esteve comigo o tempo todo!!! Me apoiando e me deixando segura!!!
Achamos que quando eu estivesse parindo ele iria ficar maluco, só que foi bem ao contrário. Deixamos todo o nosso ego de lado e nos unimos para a chegado no nosso amor maior.
Ele cuidou de tudo, se dividiu em 1000, não me deixou preocupada com nada!! Desde dos detalhes de última hora até ligações de minuto em minuto da minha mãe.
Me massageou, me beijou, falava sempre palavras doces me incentivando. Sempre que dava um desânimo, lá vinha ele me contar do Artur e de como eu tava me saindo bem!
Companheiro divo!

10679557_10203114156916627_7582783857422451829_o

A minha amiga, Talita Miranda, chegou acho que era umas 19h, toda Índia e sorridente! Olhar para ela me passava uma sensação tão aconchegante!
Fez dela a minha doula, tirou de mim o peso que eu tava carregando de eu ser minha própria doula.

1403070_10203114156356613_5144463322164740002_o

Lembro de muitos sorrisos, pra onde eu olhava tinha um sorriso e mãos me massageando sempre.
Lembro de me sentir super segura com os toques que a Lucélia fazia. Era um alívio muito grande saber quantos centímetros eu tava.

E acho que umas meia noite, meia noite e meia a Amélie Lecorné chegou pra completar o time.

10661949_10203114158756673_6715511399524271737_o
Amélie estava em Rio Preto para conhecer a Lucélia e a Poliana Risso. Veio para cá e voltou para sua cidade, e chegando lá, a Lucélia ligou para ela e perguntou se ela poderia voltar pra ajudar no meu parto e ela voltou!!!
Só que quando ela chegou, eu já tava mais pra lá do que pra cá e lembro de pouquíssimas coisas.

Lembro das dores estarem um pouco mais fortes e os intervalos entre elas menores.

Montaram a piscina.
Ranquei toda a roupa sem delongas e entrei na piscina e nossa!!!
Que sensação divina!

10688113_10203114157676646_5494579005243880729_o 10683529_10203114157196634_1984751943441540231_o 10623500_10203114156756623_6814572816114647339_o

O Marco ficou na piscina comigo, fazendo massagem.
Entre uma contração e outra, eu e toda a equipe dormíamos, todos exaustos.
Lembro de sentir os pezinhos do Artur empurrando minhas costelas e sentir a cabecinha dele lá embaixo.
Quanto estava amanhecendo, eu me senti super mal por não ter nascido ainda, fiquei triste em ver que tinha passado tanto tempo e nem a bolsa tinha rompido ainda.
Uma sensação realmente desanimadora!!!

Logo em seguida a bolsa rompeu!!

Pedi pra tomar um banho, a água morna tava me cozinhando, o vapor me irritava…
Nas escadinhas pra ir para o banheiro, senti o Artur descendo, essa dor foi foda, ardeu tudo…
Tomei banho, achando que ele ir nascer ali mesmo. Voltei pra piscina com essa dor..
Ai foi que foi..

10382598_10203114156876626_1512935598969457425_o
Era 6:24h da manhã de uma segunda feira, o Sol estava subindo e o Artur descendo finalmente para os nossos braços!!!
Nasceu todo enrolado no cordão umbilical!
10631095_10203114155436590_6824261293948218291_o

Essa sensação de ver o rosto dele pela primeira vez, de ter dado a luz… eu acho que nunca, na minha vida toda eu vou saber escrever com todos os detalhes.

1014753_10203114160676721_7490976469370359104_o 10714506_10203114157716647_5036096038378239171_o 10750457_10203114160276711_5001122946447115389_o
Acho que só quem tem filhos sabe o que é a emoção em ver o seu bebê pela primeira vez na vida.

Saímos da piscina, o Artur ficou comigo o tempo todo.
O Marco cortou o cordão umbilical!!!

E ai, eu tive que parir a placenta…
Foram mais 5h para parir essa placenta.. pra mim passou em segundos, pra equipe foi beeeeeem mais cansativo.
Placenta nasceu, eu comi 3 pedacinhos e cada um da equipe comeu 1 pedacinho também!

10338482_10203114160796724_439840040335178979_o

E foi tudo isso que aconteceu.
Artur nasceu em uma manhã linda de uma segunda feira com 3,420kg e com 53cm, em um Parto Ativo, Domiciliar, Humanizado e cheio de amor!
Tomou seu primeiro banho só na terça feira, mamou na sua primeira hora de vida fora do útero!
Tive uma laceração pequena, de um ponto interno e dois externos.
Ao todo foram 27h de trabalho de parto ativo!

10405488_10203114135676096_5965475020031787943_n 10513339_10203114135436090_555124585980244279_n

Só tenho gratidão por todos que me ajudaram nesse momento tão lindo em nossas vidas!
Gratidão a todas as massagens, a paciência eterna por esperarem o meu tempo e o tempo do Artur, a todo o apoio e acolhimento!
Gratidão ao Grupo Gaia por todo o suporte e informações tanto para mim como para muitas grávidas e tentantes!
Gratidão a todxs xs blogueirxs de plantão e a todos os relatos de parto.
Gratidão Lucélia, Marco, Talita e Amélie por fazerem disso tudo mais do que possível e lindo!!!

1069836_10202857317575804_8988144055675122981_n

E Gratidão ao meu pequeno e grande Artur por me escolher sua mãe!

10420407_10203062478104689_6051794481823040176_n

E a todxs… Parir é uma delícia! ”

Relato gentilmente cedido ao blog por Luana ❤ Gratidão querida, você e toda essa equipe, nos inspira!

Primeira Expo Musas de Si= Sucesso!

Porque foi tudo lindo. Perfeito em cada imperfeição. Sincero em cada olhar. Emocionante em cada voz. Forte em cada gesto. E transcendeu em cada cor.
A primeira exposição do meu projeto Musas de Si foi mais que um sucesso, foi algo quase místico, que pulou o momento e se antecedeu à nova era.

Agradecerei infinitamente à todos que me apoiam e que me amam.
Vocês são SIM, MUSAS (e , pq não, MUSOS (?) )E me inspiram à fazer o melhor.

Só faltou agradecer à Camila Fernandes e à musa Fernanda Tavares!

Em breve fotos !

 

Primeira Expo MUSAS DE SI!

Flyer da primeira expo do meu projeto Musas de Si! Todos por Camila Fernandes ou  Mila F.

Aqui no blog eu já escrevi sobre o projeto. Não viu? Vai lá!! MUSAS DE SI

 

Ganhou o prêmio de fomento à cultura “Nelson Seixas” da prefeitura de S.J. Rio Preto, SP, em 2011.

Será na Casa Kenty, de Alexandre Kaldera   ! (Veja aqui reportagem)  O design da exposição contou com os incríveis Natália Shinagawa (arquiteta) e Diogo Moita (Designer), e também conto com apoio do Timbre Coletivo e artistas envolvidos, amigos, musas…enfim, mega time!

Além da exposição em si, teremos vários artistas falando através da arte, sobre o tema em debate: o que é ser Musa? O que é beleza?

Dança com a apresentação “Born never asked”, inspirada na obra da fotógrafa Francesca Woodman e interpretada por dançarinos clássicos e modernos: Carolina Campos e Thayná Barbosa da companhia Isadora Duncan e Roni Roda do Fusão de Rua.
Teatro com uma cena da peça “Kahlos”, sobre a vida de Frida Kahlos. Com direção de Milton Verderi e atuação de Vanessa Cornélio e Lawrence William Garcia.
Apresentação musical em homenagem às grandes musas da música, interpretadas por Alessandra Lofran e Victor Campos (ambos da banda Contos de Réis)
Karaokê ao vivo, onde a música é tocada na hora e quem quiser cantar é só pegar o microfone, com a banda Lolirock, dos músicos Daniel Verlotta e Bruno Ravagnani

E paines em grafitti inspirados nas musas por Patrícia Campos, Lucas Campos e Fátima Salomeh

Além de muita gente bonita e interessante, num local delicioso para se inspirar e se debater um tema onde todos estão envolvidos.
Será na sexta, dia 15 de junho, em S.J. Rio Preto, vem!!
https://www.facebook.com/events/400569503308360/

Flyer por Camila Fernandes Mila F


Conheça um pouco mais do projeto aqui:
www.wix.com/gingold/musas ou aqui:
https://www.facebook.com/pages/Musas-de-Si/393703130670430


Quero todo mundo lá!!! 

Slut Club

Clique e veja mais!

Fizemos um ensaio inspirado no filme “Fight Clube (clube da luta)”, só que só com mulheres.  Sim, mesmas regras.

Fotografia e edição: Nathalie Gingold
Produção e locação: Julia Caputi e Adriano Amendola
Modelos:  Julia Caputi, Natália Campanholo, Hellen Rosa, Carla Mariel, Marina Cananda, Raphaela França, Melinda Visalli, Arlete, Carla, Aline e Zeza.
Make up e efeitos especiais: Reider Pereira
Local: Espaço Contracultural Baratazul (Mirassol-SP)
E agradecimento pelo apoio para:  Fatima Salomeh, Jorge Etecheber, Galo de Briga, Unilago,  Espaço Contracultural Baratazul e todos os envolvidos que nos ajudaram de alguma forma.

As vezes me pergunto se o fizemos simplesmente para fazer um contra-ponto ao masculino (do filme) ou à liberdade de também poder fazer isso, mesmo sendo mulher. Será que dá no mesmo?

“Escutem aqui, vermes. Vocês não são especiais. Vocês não são um belo ou único floco de neve. Vocês são feitos da mesma matéria orgânica em decomposição como tudo no mundo.” (Clube da luta)

Não é incentivar algo violento, mas sim, se expressar de maneira livre e lúdica nossos instintos e impulsos primitivos, supondo que existam tais.
O nome é uma homenagem à “Slut Walk” (em português Marcha das Vadias) manifestação que ocorre em diversos países e que começou ano passado:

“A Marcha das Vadias ou Marcha das Vagabundas (em inglês: slutwalk) iniciou-se em 3 de abril de 2011 em Toronto no Canadá e desde então tornou-se um movimento internacional realizado por diversas pessoas em todo o mundo. A Marcha das Vadias protesta contra a crença de que as mulheres que são vítimas de estupro pediram isso devido as suas vestimentas. As mulheres durante a marcha usam roupas provocantes: como blusinhas transparentes, lingerie, saias, salto altoou apenas o sutiã.”

Resumindo: é para questionar mesmo, subverter, colocar à prova, quem disse que o papel das mulheres é o da Donzela indefesa? Incapaz de se defender, de sentir raiva, de bater em alguém. Somos donas e protagonistas da nossa própria história.

Estereótipos? Tô Fora! E bora brigar! Hoje colocarei alguns cartazes e fotos 😉 Em breve, tem mais!

Ah sim! Simultaneamente ao ensaio, foi filmado um curta-metragem por Fernando Macaco…aguardem!!!!
Cliquem na imagem para verem o ensaio completo!

Clique para ver todas as fotos
Clique para ver todas as fotos

Preview Casamento Ingrid e Fabiane

Aqui uma prévia do casamento da Fabiane com a Ingrid, foi tão mágico e lindo…estou aqui me coçando para postar mais 😉
Foi em Abril, em S.J. Rio Preto, SP.

Aguardem…

Making of Ensaio Janis

E para quem ficou curioso e gostou do ensaio em homenagem à Janis Joplin com a querida Raphaela França, aqui vão as fotos do making of, com um pouco do local, produção e cenas engraçadas 😉

Fotos e tratamento: Nathalie Gingold

Produção: Raphaella França e Jaqueline Rosa

Make e cabelo: Reider Pereira

Assistência geral: Fernando Macaco

É só clicar na foto para ver a galeria!
Clica!

Ensaio Janis Rapha Joplin

Este ensaio foi feito com alegria e liberdade.

Uma homenagem à querida e talentosa Janis Joplin. A Raphaela serviu de modelo pois transpira uma aura como a da cantora, embora seja atriz, é também fã do trabalho e da imagem desta que sempre estará marcada em nosso imaginário.
Incluí trechos de algumas músicas nas fotos.

Fotos e tratamento: Nathalie Gingold

Produção: Raphaella França e Jaqueline Rosa

Make e cabelo: Reider Pereira

Assistência geral: Fernando Macaco 

Aproveitem! Cry Baby 😉 Clique na foto e veja todas as fotos

Clique na foto para ver galeria

http://grooveshark.com/songWidget.swf

Me and Bobby Mcgee

Preview – Ensaio pré-casamento

Aqui, só uma foto para vocês terem o gostinho do ensaio das lindíssimas Ingrid e Fabiane, que se casam em Abril deste ano.

Escolhemo a natureza para ser testemunha deste belo casal.
Em breve, mais fotos.

Grandes abraços!

Libido #03

Terceira edição da Libido!
Tem ensaio masculino pra lá de sensual, textos sobre sexualidade, poemas e contos eróticos e muita, mas muita polêmica.

Atreva-se. Liberte-se. Libido.

Clique na imagem para ver a revista LIBIDO

Aqui você lê um pouco sobre a experiência do Valmir (modelo da Libido deste mês) de posar para mim. Nenhuma das pessoas que posaram para a revista são modelos profissionais e esta foi a primeira que fizeram um trabalho assim.
http://sopadedragoes.blogspot.com/2012/02/voce-nao-vai-acreditar.html
Abraços!

APAVOREXXX na Kenty

Editorial party Apavorexx na Kenty, teve arte, beleza, timbre coletivo, teatro, música ao vivo, diversão, profissionais e claro, cerveja 😉

 

Foto: Nathalie Gingold
Produção Executiva: Alexandre Kaldera

Make e look: May van Bell

Modelos: Nathália Gongora Silva , Rafaa Arcurio,  Daniela Barreira Sousa,  Vanessa Morelli , Kamila Moreira, Angelica Arcanjo (Raquel Felipe MGMT)

Clique na foto para ver a galeria completa !

 

Clique na imagem para ver galeria completa
Clique na imagem para ver galeria completa

Sexta 13 na Kenty

Editorial Party, dia 13 de Janeiro, na Kenty….demorei, mas postei!

 

Foto: Nathalie Gingold
Produção Executiva: Alexandre Kaldera
Make: Pâmella Mesquita
Look: May van Bell
Modelos: Nathália Gongora Silva , Daniela Barreira Sousa, Luana Verri, Ludmila Verri (Raquel Felipe MGMT)

E convidados: PoetizaPâmella Mesquita, Gerrah Tenfus, Thassia Almeida, Juliana Merengue.

Clique na foto para ver a galeria completa

 

Clique na imagem para ver galeria

Fotos em Movimento (!) (?)

A fotógrafa novaiorquina Jamie Beck   mudou totalmente o conceito de GIFs animados ao criar uma respeitada forma de arte, apresentando fotos extremamente impressionantes.

Para quem não sabe, os GIFs animados são famosos na internet. Entretanto, a grande maioria tem caráter humorístico e não guarda grandes preocupações com a qualidade das imagens. O que Jamie faz é exatamente o contrário. As imagens possuem incrível realismo e chama atenção pelos detalhes.

Batizadas como “cinemagraphs”, ela busca não esgotar as possibilidades de uma imagem. Esta realmente parece ser a chave para criar uma arte respeitável.

Usando o mesmo conceito, surgiram algumas imagens baseadas em filmes famosos. Algumas sofreram sutis modificações e outras chegam a ser bem engraçadas. Confira a seleção.

Scarface (1983)

Scarface (1983)

Broken Flowers (2005)

Broken Flowers (2005)

Psycho (1960)

Psycho (1960)

A Vida Marinha com Steve Zissou (2004)

A Vida Marinha com Steve Zissou (2004)

O Iluminado (1980)

Em breve,  novidades por aqui 😉

Aguardem mais fotos em movimento….

Beijao!

Wallpaper Banco+Cachoeira

Olá queridos, mais um wallpaper para vocês!

Essa foto foi feita no sul do Paraná, cidade de Agudos do Sul.

É só clicar na foto correspondente ao tamanho da sua tela e copiar a imagem, é presente ^-^ !

1440x900
1024 × 768

Abraços!

Festival Percussivo e Entardecer na Represa

Sempre que anunciam algo no anfiteatro da represa, tenho vontade de ir, só pelo lugar. Te garante um dos melhores poentes da cidade e ainda por cima regado à arte!

Domingo passado, foi a vez do Festival Percussivo!

E eu me acabei!
Me emocionei com a dança, com a música, com a beleza…e me acabei de dançar também!

Abaixo algumas fotos e em breve um video, por Fernando Macaco, aguardem!

Clique p/ ver galeria completa
Clique para ver galeria completa

E aqui um incrível video, por Fernando Macaco

Preview Ensaio Pin Up

Fiquem com o gostinhao de quero mais…

Ensaio de pin up  feito no Lucy’n Burguer Rio Preto e no estúdio da Kenty, do Alexandre Caldera.

Modelo: Ludmilla Verri
Fotografia: Nathalie Gingold e Wagner Orniz
Produção: Wagner Orniz
Styling: Wagner Orniz e May Van Bell
Make up: Carlos Martins
Hair stylist: May Van Bell
Making off: Fernando Macaco
Assistente de fotografia e produção: Nadia Nagel

Agradecimentos à Anderson Müller e Bárbara Scossa, da Tv Tem, que gravou uma matéria, juntamente com o ensaio pro programa “de ponta à ponta”

Aguardem…

Casamento Carol e Wellington

 

“O milagre do amor é que ele nos é dado para que possamos dividi-lo com os outros.”

 

Tive o prazer de fotografar o belíssimo e requintado casamento da Carol com o Wellington.

Ela se preparou no Laimer Hair Studio http://www.laimer.com.br/ . A cerimônia religiosa e a festa foram no O.B.B. ( Organização Bernadete Buffet ) – www.obbbuffet.com.br 

 

Clique na imagem para ver galeria completa

 

Grandes abraços!

 

 

Musas de Si – Atualizado

 “essa imagem de si de que o outro reveste você e que a veste e que, quando desta é desinvestida, a deixa? O que ser embaixo dela? (…) sua nudez ficou por cima a lhe dar seu brilho?” (LACAN, 2003, p.201).

CORPO IMAGEM LACAN

Hoje irei falar sobre um projeto: Musas de Si.

Tudo começou meio que sem querer, com o ensaio da  Jhenifer quando estava grávida. Ela me pediu: quero um nu. E o seu resultado foi inesperado e interessante, após o ensaio, ela olhou para as fotos e não gostou de quase nenhuma. Não que meu trabalho tenha que ser bom sempre, mas eu não via o que ela estava vendo. Eu não encontrava as imperfeições e críticas naquele ensaio, ele estava inexoravelmente belo e forte. Ela sequer quis pegar as fotos naquele dia. Eu fiquei pensando a respeito e deixei as coisas como estavam, escolhi as fotos que mais gostei, editei e aguardei. Isto foi em maio de 2010.

Um pouco antes disso tudo, eu havia me deparado com alguns textos sobre o corpo e a imagem de Lacan e percebido o quanto a imagem está ligada à nossa identidade e às movimentações psíquicas, colocando em xeque a nossa percepção daquilo que é realidade. Nem quando nos olhamos no espelho enxergamos o que é real. Tanto pelo próprio objeto, que nos mostra invertido, quanto pelo nosso olhar, impregnado de significados e significantes. “O real não é a realidade” (Santaela). É aquilo que o Simbólico não consegue simbolizar e que sobra como resto do Imaginário.

Em torno de dois meses depois ela veio buscar as fotos e desta vez, olhou para as fotos e se emocionou. “Estão maravilhosas” ela me disse.

Todo este processo me encantou e percebi ali uma possibilidade quase terapêutica de trabalho com a auto-imagem da retratada.  Me deparei também com todo um campo de estudo tanto na área mais técnica da fotografia (estudo de luz sobre o corpo nu), quanto no questionamento  simbólico/social acerca da beleza.
No caso específico do ensaio da Jhenifer o que interferiu foi o fato de que ela estava passando por momentos delicados em sua gravidez, que refletiu em sua identidade corporal.

Achei a idéia de fazer ensaios de nus femininos, buscando esta reflexão, tão incrível que comecei a estruturar meu projeto.

O que quero com esses ensaios é dar voz ao corpo, é deixá-lo gritar sem mordaças sociais. Quero deixá-los livres para falar, tanto com quem está de fora, quanto com a própria pessoa retratada. Comecei a falar com algumas amigas e colegas sobre a ideia e as candidatas foram aparecendo aos poucos, meio tímidas no início, mas cheias de vontade de trazer algo à tona. Decidi que queria fazer um livro, compartilhar este projeto com outras pessoas, com quem não estava envolvido e com quem só estava curioso.

Isto tudo começou em Setembro de 2010, de lá pra cá, fiz 20 ensaios, com a mais variada gama de personalidades e belezas. Com mulheres de São Paulo e São José do Rio Preto, SP. Com escritoras, secretárias, estudantes, mães, agentes de viagens, jornalistas, advogadas, dançarinas, ilustradoras, atrizes, pesquisadoras, sendo o único critério de seleção o fato de ser mulher e de querer entrar em profunda reflexão de seu próprio corpo e beleza.

Com este primeiro post, inicio uma série falando deste projeto, de seu andamento e de suas peculiaridades. Não postarei fotos dos ensaios que mostrem o corpo das modelos, mas sim, algumas de perfil.

Farei exposições antes do lançamento do livro, que serão devidamente divulgadas.

Algumas das modelos, já escreveram sobre os próprios ensaios, confiram:

Mila Fernandes

Nathy Silva

Paty Soares

Roberta Nunes

Fernanda Tavares

Estar do outro lado dos ensaios foi igualmente mágico e eu me senti entre deusas. Entre Musas gregas .
Deusas dos olhares. Deusas das curvas. Deusas das sombras e das luzes. Deusas registradas pelas lentes de uma mortal, pasma de tanta beleza, de tanta vida e de tanta coragem.Mulheres lindas e normais, sem as imposições sociais do que é ou não belo.

Cada uma com um ensaio completamente distinto, sendo o nu o único ponto em comum.

Musas de Si pois inspiram, através da própria beleza, a transformação da realidade, da arte, do mundo, do outro, de si mesmas.

Márcia Oliveira, SP.

“Não é sair bonita na foto que faz uma mulher se sentir bem. É sentir-se bem que faz uma mulher sair bonita na foto. ” ( Mila Fernandes )

Que sejamos a beleza que queremos no mundo.

Até o próximo post!!!

Sampa

Nasci e me criei na maior cidade da américa do sul. Tenho tantas lembranças de lá, que um simples post seria inútil para tentar contar.

Esses dias dei uma passadinha por lá, pois precisava ir ao consulado francês, aproveitei e dei uma voltinha pelo centro e tirei algumas fotos.

Eu sempre fui fascinada pelas formas e pela singularidade da cidade.

Espero que vocês gostem 😉

Clique na imagem para ver a galeria completa.

Grandes abraços e muitas saudades…

Ensaio Danilo Camargo!

Vejam bem, eu sempre escrevo algo aqui, falando do ensaio, falando da pessoa…mas heis que fiquei sem palavras ao ler o que, o próprio modelo (que na verdade é cantor e dançarino) me escreveu.

Estou super emocionada e quero compartilhar com todos!

Aqui, o texto escrito por ele:

“A fotografia não nasce feita. Ela se cria, se transforma, se produz. A fotografia usa o modelo, o descarta, faz dele um instrumento, um meio, para a reprodução de algo único e atemporal, algo maior.
Eu acredito nisso e quando decidi fotografar para a divulgação do meu trabalho musical, sabia que tinha que encontrar alguém que estivesse pronto e presente (tanto física quanto emocionalmente) do outro lado da camera para registrar o exato momento em que as poses deixassem de ser poses e se transformassem em arte.
Quando  a Nathalie e eu nos encontramos pela primeira vez para discutir cenários, vestimentas, idéias e referências, eu soube que ela era essa pessoa. Sempre aberta a novas idéias, sempre oferecendo sua visão e sua experiência para o refinamento do produto final, vi na Nathalie traços que tenho e outros que ainda pretendo adquirir.
Como todo bom perfeccionista, deixei claro que buscava dedicação, foco e esperava nada menos do que 100% de cada pessoa envolvida no ensaio, inclusive eu próprio. E foi exatamente o que recebi: desde a maquiagem até a colaboração de ideias, iluminação, o empenho foi ao mesmo tempo super profissional e extremamente confortável.
Foi mais do que um ensaio, uma verdadeira experiência pela qual tenho todo o apreço do mundo.
À Nathalie, Macaco, Luis e Mama Make-Up, meu super obrigado!”

WONKA WONKA!

Danilo, amei fazer o seu ensaio, você tem muita estrada pela frente, e é uma estrada iluminada pelo sucesso!

Aqui o ensaio!

Clique na imagem para ver a galeria completa

Conheça um pouco do trabalho dele aqui e siga o  twitter dele.

Equipe Técnica do Ensaio:

Fotografia e edição: Nathalie Gingold

Assists de fotografia: Fernando Macaco e Luiz Áureo

Maquiagem: Fátima Salomeh

Muita luz e muito sucesso!

Abraços à todos!

Ensaio Jhenifer Grávida

Grávida. Plena. Nua.

O que mais eu precisaria para um ensaio peculiar como este?

Escolhemos as fotos que não mostram muito, mas será mesmo? Quanto amor, força e pensamentos estas fotos nos mostram? Talvez muito mais que um simples corpo nu.

Jhenifer. Grávida. Plena.

Clique na foto para ver a galeria completa

Aqui , o seu primeiro ensaio.

Aqui, seu blog: http://delirioambulante.blogspot.com/

Grandes abraços!

Site no ar!

Puxa vida, depois de uma maratona, onde tive que escolher as melhores fotos, editá-las, escolher as sequências, escolher o layout…Heis que surge das cinzas do blog, o meu site! www.gingold.com.br

Com uma postura mais focada em fotografia, e com um layout super Nextel (ou seja, prático) ele vem trazer o melhor do meu trabalho, na área de Still, Eventos, Ensaios femininos. Incluí também uma galeria mais artística, com fotos aleatórias-Imagens.
Entrem lá, conheçam mais do meu trabalho e indiquem para seus amigos!

Eu espero que vocês gostem do site, que foi feito por uma grande amigo meu, e grande profissional da área de Web/Design, o Diovane, conheçam o site dele também www.diovane.com e se precisarem, façam um orçamento também 😉

Grandes abraços e sucesso a todos nós!

Meu jardim

Estes últimos dias, tenho feito muita coisa…sabem como é final de ano…. E hoje a tarde, resolvi meditar um pouco e fotografei o meu jardim. Para mim, são elementos únicos, singelos e complexos. As cores e formas quando se encontram com a luz….se transformam.

Espero que gostem. Desta vez, se você quiser ver a galeria completa, clique na foto que você irá para o Flickr. Lá as fotos são organizadas e carregam bem mais rápido, espero que facilite!

 

Clique na imagem para ver a galeria completa

Grandes abraços!

 

Livia Hair Show

O Lívia Hair Show 2009, aconteceu no dia 19 de Outubro, em S.J. Rio Preto, SP.

Este evento foi realizado pelas Lojas Lívia em comemoração ao Dia do Cabeleireiro, mostrando todo o apoio que dá aos profissionais de beleza da cidade.

Mais de 2 mil profissionais assistiram as apresentações de cortes e penteados dos mais renomados Hair Styles do pais, que foram:

-Marcelo Righetti – TAIFF, Leandro Pires – PROART, Márcia Maria – WELLA, Célio Faria – L´Oréal Professionnel, Angelo Marx – MATRIX.

Eu fotografei todo o evento, confiram aqui no site das Lojas Livia e aqui na minha galeria: (clique na foto)

Livia Hair Show-Nathalie Gingold-1742

Grandes abraços à todos! Foi um prazer prestigiar os profissionais de beleza de S.J.Rio Preto! Parabéns !

Mon âme

Photographier c’est mettre sur la même ligne de mire la tête, l’oeil et le coeur.


(Fotografar é colocar na mesma linha de mira a cabeça, o olho e o coração)
-Henri Cartier Bresson
Fotógrafo de rua – Fotojornalista
(22 de agosto de 1908, França — 2 de agosto de 2004, França)

Clique na foto para ver mais fotos dele:
h_cartier_bresson_magnum
Biografia na Magnum: http://www.magnumphotos.com/Archive/C.aspx?VP=XSpecific_MAG.Biography_VPage&AID=2K7O3R14T50B
Dica: neste link há uma lista com todos os prêmios e menções recebidas por Bresson

Fundação Henri Cartier-Bresson (francês e inglês): http://www.henricartierbresson.org/

Página da Magnum: www.magnumphotos.com/

Entrevista de Bresson para o Jornal O Estado de São Paulo, por Sheila Leirner, concedida em 1996: http://pagesperso-orange.fr/sheila.leirner/Site%20Entrevistas/CartierBresson.htm

Galeria Tête à Tête do Washington Post – Retratos por Henri Cartier-Bresson: http://www.washingtonpost.com/wp-srv/style/museums/photogallery/bresson/index.htm

PBase com várias fotos menos famosas (e não menos belas) de Bresson: http://www.pbase.com/omoses/cartier_bresson
Grandes Abraços!!!

A caminho do céu!

acaminhodoceu_eflyer

23 de Outubro, sexta, às 20h.

Grátis!

Confira algumas fotos que eu tirei do making of aqui: https://agrandegaia.wordpress.com/2009/08/07/a-caminho-do-ceu-curta-metragem/

E o teaser do curta:

Todos estão mais do que convidados!!!

Estamira. Documentário de Marcos Prado.

O filme Estamira é de uma força e grandeza, que sair ileso é quase impossível. Alguns saem incomodados, outros revoltados, eu fiquei pensativa. Pensativa pois é um filme que dá a voz ao excluído, ao louco, no caso, uma mulher com problemas mentais (fato que eu questiono).

Durante todo um período histórico, que permanece até hoje, o “doente mental” foi calado. Sua capacidade mental é tão debilitada, tão doente, que sequer “pode” responder por si mesmo. E este filme, vai contra toda uma cultura de silêncio e nos faz, isso mesmo, nos faz escutar a Estamira. Ao berros.

Ela é uma senhora que trabalha no lixão de Guamacho, RJ. E ela, sob todos os aspectos que você possa imaginar, limpa.Ela vive do lixo. Ela se alimenta. Ela tem amigos. Ela vive de limpar a sujeira que a nossa sociedade “ao contrário”(expressão dela) produz. Ela luta contra o mentiroso, contra o Deus (criado pelo homem) estuprador, contra todas as situações que ela acredita serem “trocadilhos”, no sentido de inversão do sentido das coisas.

estamira2

ISSO AQUI [O LIXÃO] É O DEPÓSITO DOS RESTOS. ÀS VEZES É SÓ RESTO, ÀS VEZES VEM TAMBÉM DESCUIDO. (…) CONSERVAR AS COISAS É MARAVILHOSO. LAVAR, LIMPAR E USAR MAIS, O QUANTO PODE. AS PESSOAS TÊM QUE PRESTAR ATENÇÃO NO QUE ELAS USAM, NO QUE ELAS TÊM. PORQUE FICAR SEM É MUITO RUIM”- Estamira

Ela, em sua consciência de mundo, de vida, fala de meninos sapos, do além mundo e da natureza, como forças e entidades que simplesmente existem. Ela vê. Ela fala.

A MINHA MISSÃO, ALÉM DE SER ESTAMIRA, É MOSTRAR A VERDADE E CAPTURAR A MENTIRA. (…) NÃO TEM INOCENTES:TEM ESPERTOS AO CONTRÁRIO”

Eu não a vejo como louca e nem como doente.

Quem é doente é essa sociedade em que vivemos, com valores trocados, sentimentos atropelados, dor, mentira e orgulho. Que mérito nós temos em classificá-la como doente, se quem está doente somos nós? Vivemos num trocadilho eterno, fingimos patentes, negamos nossa idade, nossa maternidade, ensinamos a pornografia, nos divertimos com a dor alheia. Isso sim é doença para mim.

Se ela é louca, também sou.

“SABIA QUE TUDO O QUE É IMAGINÁRIO EXISTE, E É, E TEM?”- Estamira

estamira



Confiram o site do filme, e claro, assistam, vale muito a pena. Dê uma chance e escute o que ela tem a dizer.

http://www.estamira.com.br/

Para quem já viu o filme, confiram esta entrevista recente, feita com o diretor do documentário, falando da Estamira hoje em dia:

http://revistatpm.uol.com.br/56/estamira/02.htm

Grandes abraços!!!

Ensaio Guará!

Desta vez um ensaio bem diferente, com foco, direção e ambientalização para o curta metragem “Guará”.

O curta tem direção e roteiro de Fátima Salomeh e fotografia por Fernando Macaco.

Aqui, apresentando a personagem principal do curta,  numa espécie de ensaio antes das filmagens. A atriz é Tessie Marcondes.

O curta Guará, faz parte de uma quadrilogia, com roteiro original por Fátima Salomeh.

Com ela, a palavra: “Guará fala da natureza e da sua destruição, da natureza feminina e da sua domesticação, é a representação fílmica dos mistérios da noite, da mulher,da natureza e seus mistérios”

E como é um curta cheio de mistérios, deixaremos vocês só com o ensaio… para dar “aquela” água na boca.

Produção: Fátima Salomeh

Iluminação: Fernando Macaco

Fotografia e edição:  Nathalie Gingold

Modelo: Tessie Marcondes

Clique na foto para ver a galeria completa:

GUARÁ 465

guará fala da natureza e da sua destruição, da natureza feminina e da sua domesticação, é representação fílmica dos mistérios da noite, da mulher,da natureza e seus mistériosguará fala da natureza e da sua destruição, da natureza feminina e da sua domesticação, é representação fílmica dos mistérios da noite, da mulher,da natureza e seus mistérios”

Ensaio Anna Ester

Ela tem uma beleza delicada, com longos cabelos claros, e belos olhos azuis…pensamos então em fazer seu ensaio assim, ao lado da natureza, deixando a beleza dela se mesclar com as flores e árvores e vento… Mas quem se mostrou mesmo, foi uma garota forte e de olhar intimidador.

“A natureza reservou para si tanta liberdade que não a podemos nunca penetrar completamente com o nosso saber e a nossa ciência.” (Goethe)

Equipe:

Tessie Marcondes: Produção e Maquiagem

Fátima Salomeh: Produção

Nathalie Gingold: Fotografia e edição de imagens.

Cliquem na foto para ver a galeria completa, espero que gostem:

Ensaio Anna 217 copyGrandes abraços a todos!!!

Para você

Que a luz de Iemanjá te banhe e te ilumine o caminho.

Aqui, uma pequena música para acalentar aqueles que procuram acalento.

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

Ensaio Billie Holliday

Este ensaio foi inspirado na maravilhosa Billie Holliday Billie Holliday

“Billie Holiday foi uma das mais comoventes cantoras de jazz de sua época. Com uma voz etérea, flexível e levemente rouca, Sua dicção, seu fraseado, a sensualidade à flor da voz, expressando incrível profundidade de emoção, a aproximaram do estilo de Lester Young, com quem, em quatro anos, gravou cerca de cinqüenta canções, repletas de swing e cumplicidade. Lester Young foi quem lhe apelidou “Lady Day”.”

holiday

A Gabi, que foi a modelo do ensaio, é uma jovem, de 15 anos de idade, que não conhecia a Billie Holliday. Mas neste dia, passou, não só a conhece-la, como a se identificar com seu ritmo, sua voz…e claro, sua aparência.

Com toda a delicadeza e força possivel, heis que fizemos um ensaio primoroso, confiram.

Equipe:

Fátima Salomeh-Produção e maquiagem

Tessie Marcondes- Produção e maquiagem

Nathalie Gingold-Iluminação, Fotografia e edição de imagens.

Cliquem na foto para ver a galeria inteira!!!

Ensaio Gabi 271 copy

Grandes abraços!

A caminho do céu-Curta Metragem

Eu tenho acompanhado o andamento do curta metragem ” A caminho do céu” um pouco de longe.
Explico, na verdade eu não faço parte da equipe dele, mas meu marido, o Sr. Macaco sim, ele é assistente de fotografia, e tem corrido para tudo quanto é lado estes últimos meses na organização do curta. É rifa, festa junina, Ipiguá…

O que sei é que o curta foi premiado com o primeiro lugar do Programa Municipal “Nelson Seixas” de Fomento à Produção Cultural em São José do Rio Preto, SP, que toda a equipe está se empenhando em detalhes que só grandes produções em cinema se empenha. A Diretora é a Bia Lelles, o diretor de fotografia é o Leandro Marcondelli, grande elenco e uma equipe enooorrrrme! Nem preciso dizer mais nada, né.

O teaser do filme é um espetáculo! Sintam o gostinho do que eu estou falando:

E é claro que não pude deixar de ir lá, nas gravações, pelo menos um dia, para tirar algumas fotos.

Fui nas gravações do dia 24 de Julho, que aconteceram no Hotel São Paulo. Um hotel antigo, que está localizado no centro da cidade, com arquitetura conservada e ares de mal-assombrado….

Dêem uma olhadinha, é só clicar na foto para ver a galeria completa.

A_caminho_do_céu_nathalie_gingold 800x534-8

Gostaram do curta?

Eu também, quero ver o resultado final agora 😉

Confiram o blog das gravações blog das gravações, lá você conferem tudinho e ainda podem falar com a diretora.

Fico por aqui, mandando um grande abraço à toda a equipe, muito, mas muito sucesso mesmo a todos, e que o curta seja de uma força capaz de durar anos e anos.

O Amor

“Encha de tal maneira o meu coração de Amor
que cada lágrima minha se transforme numa estrela.”
(Hazrat Inayat Khan)

Inayat Khan, fundador da Ordem Sufi no ocidente, nasceu em Baroda, Índia,a 5 de Julho de 1882, no seio de uma família de grandes músicos. Em criança, Inayat Khan interessou-se pela música e pelas visitas a homens santos. Dado o seu amor profundo pela tradição musical indiana, dedicou a parte inicial da sua vida à reinstauração do valor espiritual da música, viajando e tocando num evoluído estilo clássico indiano. Um dos grandes patriarcas da música, o Nizam de Hydebarad, respondeu ao cantar de Inayat Khan ao agraciar-lhe com a mais alta distinção musical indiana: o Tansen da Índia.

Inayat sentiu então que tinha cumprido os seus objectivos na música e virou a sua atenção inteiramente aos assuntos do espírito. Encontrou o seu professor ideal na pessoa de Hazrat Abu Hashim Madani, o sucessor de um dos ramos da Ordem Chisti Sufi indiana. Depois de ter feito o juramento sagrado de iniciação, realizou cursos de aprendizagem nas quatro escolas sufi: Chisti, Naqshbandi, Qadiri e Shurawardi. Antes de morrer, Abu Hashim Madani chamou o seu pupilo Inayat Khan ao seu leito para abençoá-lo e ordená-lo para que espalhasse a mensagem do sufismo no ocidente, dizendo que recebera a ordem de Moinuddin Chisti, fundador da Ordem Chisti na Índia.

Seguindo este chamamento de Deus, Inayat Khan abandonou a Índia em direcção ao ocidente no dia 13 de Setembro de 1910. Chegou aos E. U. A. , tendo posteriormente viajado pela Europa e Rússia, espalhando as sementes do sufismo. Pir-o-Murshid Inayat Khan estabeleceu-se em Paris e posteriormente em Genebra, onde ensinou o sufismo e liderou uma organização.

Em 1926 Pir-o-Murshid Inayat Khan regressou à Índia, onde faleceu no ano seguinte. O seu dargah (mausoleu) encontra-se em Nova Delhi nas instalações do Hope Project. Ele deixou um legado de inspiração, tanto nos livros transcritos das suas prelecções como na transmissão espiritual passada para os seus sucessores e membros da Ordem Sufi de hoje.”

Fonte: http://arcamusic.blogspot.com/2007/05/hazrat-inayat-khan.html

 Hazrat Inayat Khan

 

Amado Senhor, Deus Todo-Poderoso!
Através dos raios de sol,
Através das ondas do ar,
Através da vida que habita o espaço,
Purificai-me e fazei-me reviver, eu oro,
Curai meu corpo, meu coração e minha alma.
Amém
(Hazrat Inayat Khan)

 

Que a luz de Hazrat Inayat Khan ilumine o dia de hoje, o seu dia, o seu olhar, o seu agora! Que os mestres do oriente nos mostre a verdade, o desapego, e o amor em seu estado puro.

Que assim seja amigo! 

Grandes abraços iluminados.

Libertar

“Liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela.”
(George Bernard Shaw)

 

Sempre ouço muitas pessoas falando que queriam suas vidas diferentes, que estão presas à alguém que não amam, presas à um trabalho tedioso, presas à familias pouco amorosas, etc. Todas presas, seguindo o caminho que acham o melhor, por todos os motivos que você imaginar. Se enrroscam de tal maneira à tais coisas, que acham (e muitas vezes, têm certeza) que nunca mais irão se soltar.

Quando eu lhes pergunto: mas, se não está bom, porque você não muda? Essas mesmas pessoas já vem preparadas com um arsenal de argumentos incorrompíveis. E nisso, continuam a sofrer, ficam doentes, stressadas, mal-humoradas, amargas com si mesmas e com o mundo. Esse é o melhor caminho, segundo elas, o mais correto. Mas na verdade, sinto que é medo.

Sim, medo de mudar, de encarar suas escolhas e de aceitar seu próprio coração. Pois quando ocorre uma mudança, ocorre um processo parecido com o que a Fênix passa, ela tem que morrer para então, renascer das cinzas. Tem que morrer. E temos medo disso.

Mas não só disso, se formos mais a fundo, percebemos que o medo vai além.

Quando pensamos em morte, e nos sentimos receosos, talvez não seja pelo fato em si, mas pelo o que acontece depois.

O que acontece depois? Essa é a grande pergunta.

A liberdade.

Quando morremos, nos libertamos. Mas como? No caso das mudanças, (e falo de mudanças na nossa vida) o acontece é que nor tornamos responsáveis por nós mesmos. Nos libertamos de outros pensamentos e argumentos, e nos armamos só com os nossos. Tomamos consciência de nós mesmos. Do nosso corpo, da nossa mente, do nosso espírito.

Quando damos este passo, de assumirmos quem somos e o que queremos para a nossa vida, aceitamos a responsabilidade de tal. Deixamos que atribuir a culpa ou o sucesso ao outro.

Temos medos de renascer e virar fênix, pois sendo tal, não poderemos mais fingir ou mentir para nós mesmos, não apresentaremos mais argumentos furados para nossos anseios, não poderemos mais “ser” outra pessoa, não conseguiremos mais usar máscara perante o espelho. Só poderemos ser nós mesmos. A responsabilidade por tudo será inteiramente nossa. Isso é o que nos assusta. O peso da responsabilidade. Mas não funciona assim.

Quando você conseguir dar este passo, verá que a responsabilidade nos dá um lugar no mundo, nos mostra o quanto somos importante para o outro, o quanto somos importantes neste mundo, o quanto somos importantes para nós mesmos e o quanto podemos voar, com nossas asas de fênix.

Somos seres divinos, seres de luz, somos uma grande familia, e cada um tem seu lugar à grande mesa.

Agora, não mais Fênix de fogo, dei meu passo…Sou agora, Fênix Dourada.

Dê seu passo, estarei aqui, nas alturas, te esperando.

Namastê!

Abaixo, fotos da Santa Estrela, Igreja do Santo Daime em Urupês. É só clicar para ver a galeria.

daime-04-04-2009-020

 

Espelhinho

É interessante eu ter escrito um post, ontem à noite, com o título de nascimento, pois hoje bem cedinho, nasceu a pequena Iara, filha de minha amiga Lucélia, a grávida que aparece em algumas fotos.

Foi um parto rápido, tranqüilo e super natural, pena que não pude acompanhá-la no momento. Todos estão em ótima energia, sorrindo e com lágrimas escorrendo pelas palavras. A Iara é super piquitinha, tem traços tanto do pai quanto da mãe.

Ah o parto…muitas temem esse momento, imaginam cenas de novela, loucura e insanidade. Alumas têm razão. Parto mesmo sendo luz também é morte. Muitas grávidas relatam sonhos de estarem morrendo, e isso é muito simbólico e interessante.

 Sim, alguém morre. Morre aquela mulher, antes só filha, só estudante, só senfermeira, só namorada, só, para nascer uma nova, a mãe. A filhinha dela, provavelmente, nunca a chamará de Lucélia, só de mãe, mamãe. E essa nova pessoa tem tanta experiência em ser o que é, quanto a Iara, que acabou de nascer, com a única diferença, a Lucélia é aquela que vai cuidar, passar as experiências anteriores para ela. Mas mãe mesmo, ela só é agora, através da morte ela nasce duas vezes. Através dela e da Iara. E o pai, se vê apavorado com a morte de sua companheira e com uma nova pessoa na vida, que muitas vezes se afasta, para entender. Quando volta, percebe que ganhou uma nova mulher, uma filha, uma famíla e que ele também teve que morrer, mas de fora pra dentro, em total discrepancia com a mulher. E que ele, agora zela por amores novos, amores de pai.

Nascimentos são a verdadeira luz.  Mas alguns se ofuscam com ela.

Me lembro de quando a Sophia nasceu e da emoção que é, depois de 9 meses, poder ver o rosto dela, o choro e sentir a pele dela encostar na minha.

Penso que sempre podemos  ver novas chances em cada fase da vida. Cada momento tem o seu “quê” de desafio e oportunidade, algumas pessoas percebem e aproveitam, outras se acomodam e deixam a vontade passar.
Acredito que ter um filho significa, entre outras milhares de coisas, ter uma nova chance com você mesmo, re-significar sua infância através do prisma que seu filho vai criar. Abrindo novas possibilidades e encarando velhos medos.

Podemos deixar essa oportunidade de lado e repetir a nossa infância, com os mesmos vícios e erros que nossos pais cometeram. Mas se a coragem em se olhar no espelho estiver presente, podemos pergar nosso caderno da infância e passar “branquinho”, dar um passo adiante na melhoria da familia e no amor que une as pessoas.
Você mostrará com o seu exemplo, aquilo que é saudável para seu filho, e ele por sua vez, repetirá seus atos num ímpeto [inconsciente] de te revelar o que você mesmo não presta atenção. Nos seus atos. E é aí que a coragem tem que existir. Nem sempre temos a coragem de nos olhar no espelho e decidir, quero mudar mudar. Temos que nos enfrentar para conseguir entender nosso passado e desvendar nosso presente, só por se olhar no espelho. [“Eu caçador de mim”]

Quando se quebra tabus e se enfrenta a verdade, chegamos exatamente no ponto de onde saímos e re-tomamos nosso rumo.

 

Bem vinda Iara!