Ensaio Frida Kahlo

Há um tempo fiz este incrível em homenagem à Frida Kahlo.
E por algum motivo ele ficou aqui, quietinho esperando para ser publicado….

Foi um ensaio muito emocionante e bonito. Emocionante não só por ser uma homenagem à uma das artistas que mais admiro, mas por me envolver com toda uma aura dela.
A Vanessa (modelo) tem uma trajetória que lembra e muito a da própria Frida, além do que o diário dela estava presenta no ensaio e isso trouxe um “algo a mais”. Podem ou não acreditar em espíritos, energias e afins, mas sinto que, no mínimo o simbolo de liberdade, força e paixão que a Frida tem, estava presente.
Posso não ter tido o privilégio de conhecer a Frida em pessoa, mas me sinto privilegiada em poder homenageá-la com pessoas tão iluminadas e tão próximas de suas obras, de sua vida e beleza.

VIVA FRIDA!

produção :  Milton F. Verderi.
Modelo/atriz : Vanessa Cornélio
Assistente : Fernando Macaco
Fotos e edição: Nathalie Gingold

(Milton e Vanessa também tem um exercício cênico chamado “Kahlos”, sobre o diário da Frida.)

Madalena Carmen Frida Kahlo (1907-1954), uma mulher transgressora, desafiante, valente, ferida e feroz. Assim se pode descrever esta artista mexicana, grande ícone da pintura ibero-americana.
A vida de Frida Kahlo esteve marcada pela dor, pelas tragédias, pelo sofrimento. Daí, que a sua pintura convertesse-se no seu refúgio, na sua maneira de fazer-se sentir, numa biografia da sua vida: da sua luta, da sua dor, da sua terra e da sua época. Conhecida pelos auto-retratos ela mesma se justifica dizendo:
“Pinto-me a mim mesma porque estou com freqüência sozinha, e porque sou a pessoa a qual melhor conheço”.
Clique para ver ensaio completo

Para Frida a pintura foi uma maneira de inventar-se a si mesma, mas também foi um modo de exorcizar a dor e de fazer tolerável o desespero das numerosas convalescenças que teve que defrontar ao longo da sua vida.
Frida Nasceu em 1907 no México, mas gostava de declarar-se filha da revolução ao dizer que havia nascido em 1910. Sua vida sempre foi marcada por grandes tragédias; aos seis anos contraiu poliomelite, o que à deixou coxa. O constrangimento causado por essas seqüelas acabou criando um fato extremamente interessante. Para encobrir a deficiência ela começou a usar saias longas como as das indígenas mexicanas. Mais adiante, quando Já famosa, as intelectuais de sua época e as mulheres de um modo geral acharam que ela estava lançando moda e começaram a também usar aquelas saias longas.

Fotos reais:

Clique para ver mais
Clique para ver mais
Aos 18 anos Frida sofreu um gravíssimo acidente! O bonde em que passeava chocou-se contra um ônibus. Ela sofreu múltiplas fraturas e uma barra de ferro atravessou-a entrando pela bacia e saindo pela vagina. Por causa deste último fez várias cirurgias e ficou muito tempo presa em uma cama.
Começou a pintar durante a convalescença, quando a mãe pendurou um espelho em cima de sua cama. Frida sempre pintou a si mesma. Suas angustias, suas vivências, seus medos e principalmente seu amor pelo marido Diego Rivera.
Por conta da fratura de pelve, ela não poderia ter filhos de parto normal, e era recomendável, portanto que evitasse engravidar. O acidente também destruiu seu sonho de ser médica. Em 1929 ela sofreu o primeiro aborto; em 1932, o segundo e último. Seu grande desejo era ter filhos, e a impossibilidade de concretizá-lo naturalmente deixou-a extremamente traumatizada.

Nesse período, Frida pintou o quadro “O Hospital Henry Ford”,também conhecido como A Cama Voadora (1932). O quadro mostra a pintora deitada na cama do hospital, flutuando sobre o leito, um feto do sexo masculino, um caramujo e um modelo anatômico de abdome e de pelve. No chão, abaixo do leito, são vistos uma pelve óssea, uma flor e um autoclave. Todas as seis figuras estão presas à mão esquerda de Frida por meio de artérias, de modo a lembrar os vasos de um cordão umbilical. O lençol sob Frida está bastante ensangüentado. Seu corpo é demasiadamente pequeno em relação ao tamanho do leito hospitalar, de modo a sugerir seu sofrimento e sua grande solidão.

Em 2 julho de 1954 Frida participou, em cadeira de rodas, da manifestação contra a intervenção americana na Guatemala.
Frida Kahlo viveu como Diego Rivera recomendou, um dia, a ela:
“Pega da vida tudo o que ela te der, seja o que for, sempre que te interesse e possa dar certo.”
Ela costumava dizer que “a tragédia é o mais ridículo que há” e“nada vale mais do que a risada”.
Os seus quadros refletiam o momento pelo qual passava e, embora fossem bastante “fortes”, não eram surrealistas:
“Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei minha própria realidade.”

Aqui video da Frida (real)

Frida contraiu uma pneumonia e morreu em 1954 de embolia pulmonar, mas no seu diário a última frase causa dúvidas:

“Espero alegre a saída e espero nunca voltar – Frida”.

Museu Frida Kahlo
Site Oficial

VIVA FRIDA!

Anúncios

Um pensamento sobre “Ensaio Frida Kahlo

  1. “Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei minha própria realidade.” essa é a frase q mais me fascina… e assim tudo mais e a vida que pinta todos nós… e a gente borra.. a vida transborda,, por todos os lados.
    Foi um dia muito especial… daqueles que se guarda p’r sempre.
    Grande dia!! Obrigada a vc e ao sr. Monkey! O Miltinho já é de casa. 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s