Desabafo de Luana

desabafar

v.t.

Descobrir, desagasalhar.
Expor ao ar; arejar.
Desimpedir, desobstruir.
Desafrontar, desagravar.
Dizer ou manifestar com franqueza o que se sente ou pensa.
v.i.
Manifestar o que se sente ou pensa, desafogar-se.v. t.
Descobrir. Desagasalhar. Desafrontar. Tornar livre (a respiração). Dizer com franqueza: desabafar resentimentos. Expandir. Reanimar.
Respirar livremente. Expandir-se.

Hoje li este relato da Luana Carneiro no grupo de “feminismo e maternidade” do facebook, e perguntei se poderia postá-lo aqui.
E heis que a resposta foi super positiva!
Obrigada Luana, espero que possamos conversar, através de sua fala, com várias mulheres que sentem o mesmo que você.

“Um desabafo:

Estar grávida não é só ter que dividir seu corpo com a criança na sua barriga, é ter que dividi-lo com a sociedade também. Como mulher, tenho que me esforçar constantemente pra não ter a minha liberdade física e sexual castrada, mas vejo que, como gestante, isso vai muito além do que estava acostumada a lidar.
Subitamente todos ao meu redor são “experts” em saúde física e mental, e, como tais, se acham aptos a me dar “conselhos” – o que devo comer, pra onde devo sair, como devo me comportar e até o que devo pensar e sentir – a todo tempo.
Além disso, tente falar publicamente que não quer ter intervenções médicas na hora do parto, e o que ouvirá da maioria das pessoas é: “você está sendo inconsequente!”, “se algo der errado, se sentirá culpada pelo resto da vida!” (porque EU me sentir culpada, pelo visto, só depende da SUA noção de culpa), “conheço um caso assim e assado onde tudo deu errado!”, “você não vai aguentar a dor!”. Isso sem contar os próprios médicos, esses *entes divinos* que tentam te explicar como sem eles seu corpo não funciona e sua vida está sempre em risco! Hoje mesmo, numa consulta que fiz, tive que ouvir um sermão de como estou sendo irresponsável por fazer tais escolhas, como não estou preparada e ainda tive que ouvir a pergunta audaciosa: “o que seu companheiro acha disso?”

E claro, pra completar, parece comum ter que dar explicações sobre a minha vida amorosa pra todos agora. É de se esperar, lógico, perguntas como “e quem é o pai?”, mas me deparo diariamente com coisas mais “por que vocês não estão mais juntos?”, “ele também concorda com a escolha que você está fazendo?”, “como você vai fazer pra ter essa criança sozinha?”. E quando dou respostas mais evasivas, como “meu filho me terá como mãe e pai”, as reações costumam variar entre “tadinha!” e “que horror!”. Já não me bastasse todo o caos interno que tenho que lidar nessa nova fase da minha jornada, toda a fragilidade emocional em que ando me encontrando, me vejo também refém da cultura patriarcal que acredita que não sou capaz de criar bem um filho sem uma figura masculina ao meu lado.

E é isso. Não acredito que seja a única a passar por isso…
Gostaria de estar mais forte pra conseguir superar logo toda essa raiva e mágoa que acabo engolindo no processo…”

Por Luana Carneiro
Anúncios

3 pensamentos sobre “Desabafo de Luana

  1. Meu depoimento:
    Sou mãe 2 vezes… 2 partos normais que aconteceram com uma diferença de 4 anos e 4 minutos (Incriível, né? – mesmo dia e mesma hora)…

    No primeiro parto fiquei 15 horas com muita tranquilidade e paciencia acompanhada por uma doula fofissima (querida Bianca), pouca dor (pedi anestesia com 5 cm de dilatação o que diminuiu as contrações e colaborou com a demora)
    Fui bem assistida e com muito carinho a obstetra deixou que viesse de forma natural sem muita interferência… Mas… nos ultimos 30 minutos, apesar da peridural, tive muita dor e um medo horrível de não conseguir… nasceu meu primeiro filho, saudavel e extremamente vigoroso…

    Nesse segundo parto (40 dias atras) fui mais feliz e aí vai a dica: um obstetra com experiencia em parto normal que auxilia e acelera o parto, deixando ZERO dor e mantendo as contrações, sem medo, com segurança… meu bebê nasceu na terceira força, sem nenhuma dor, com serenidade e paz veio pro meu colo pra se aquecer com cordão umbilical ainda… e lá ficou aconchegado, no escurinho… se adaptando ao ar do mundo com calma… Foi lindo…
    Lara Scanferla, minha doula, maravilhosa e minha amiga do peito, nem teve trabalho dessa vez… e ficou só como fotógrafa mesmo… Aliás, competentíssima, recomendo!!!

  2. Luana Carneiro, suas palavras traduziram toda a minha frustração (mesmo depois de 11 anos? éééé).
    Obrigada, Nath, por trazer esse depoimento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s