Pensar

“Posto que as religiões te prometam o paraíso, cuida de criar um neste mundo, que o outro é duvidoso”.
Omar Khayam

Você pode ser a pessoa mais religiosa do mundo, ou o mais convicto dos ateus, mas se você vive em desacordo com o que acredita ser bom, com certeza morrerá do mesmo jeito, havendo ou não um inferno esperando por você.

O fato que me desconsola é que quando as pessoas param para pensar nessas questões ou estão à beira da morte ou à beira do abismo. Seria tão simples se tivesse pensado (ou feito algo) antes. Não precisamo crer num julgamento para sabermos que todos os nossos atos tem um consequência, é lei da física.
Jogamos uma pedrinha no lago e vemos as ondas ressoando por ele inteiro, até o fim. Por que seria diferente com nossas palavras, sensações ou pensamentos?

É tão reconfortante sermos ninados para dormir, aquele carinho nas costas ou mesmo um abraço carinhoso, mas deixamos isso de lado, como se fosse simples de mais para ser tão importante. Só nos lembramos da importância na dor, que até um simples olhar nos afaga.

Acho que podíamos pensar um pouco mais nestas coisas quando estamos assim, bem, e fazê-las com sinceridade, não por temer alguém ou alguma providência divina.
Se você não ta afim de sair por ai dizendo o quanto ama as pessoas, pode, pelo menos, ser mais sincero, desde quando fala com a sua mãe no telefone, até quando diz que não quer comprar chicletes do garoto do farol. Acredito que muda muito mais do que você pode imaginar.

Anúncios

Um pensamento sobre “Pensar

  1. Sim, Nath, é incrível como as pessoas só dão valor às coisas quando percebem que precisam delas. Antes disso, ignoram. Mas ainda pior que isso, creio eu, são esses que você mencionou, que proclamam o “bem” [?] pelas palavras e não pelos atos, pensando, dessa forma, que atingirão a redenção… mas o que é o bem? Do ponto de vista cristão é incentivar a [falsa]moral e os bons costumes; é criticar, arduamente, alguém, por certas atitudes, sem saber o que a levou a cometê-las, e etc.

    Me perdoe a falta de ética por citar uma religião, na verdade eu deveria ter generalizado. O fato é que eu fico puta com essa propagação de bondade que paira sobre os envolvidos no manto fervoroso da fé… é tanta hipocrisia, tanta falsidade, tanta mediocridade, que meus sentidos não suportam. O problema não é o crer ou o não crer, é o fazer e o deixar de fazer. O que eles mais fazem é o inverso. Isso, é claro, para os que sabem que as coisas vão além de depositar numa divindade tudo. Não pense que eu não acredito em algo divino, pois eu acredito sim; o que eu não acredito é no bem e no mal.

    Pra mim existe o bem e o mal de e para cada um. Todos carregam consigo o poder das duas forças. Por isso a importância da sinceridade; com ela podemos expressar o nosso bem, mesmo que ele seja concebido, por alguns, como mal, afinal, o que é bom para mim, pode não ser para você. A diferença é a sensação de consciência tranqüila e alma lavada.

    Beijos, Nath!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s